Os contos de Ântia: narrativas intercaladas em Efesíacas, de Xenofonte de Éfeso

Resumen

Dentre os autores do romance grego antigo, Xenofonte de Éfeso é considerado o menos habilidoso em vista do estilo. No entanto, destaca-se enquanto narrador pelo emprego que faz das narrativas intercaladas, histórias embutidas no quadro mais amplo do romance. Esse artigo propõe-se a examinar o emprego desse recurso relacionando-o com Ântia, que é a uma só vez narradora e objeto de narrativa intercalada em Efesíacas. Argumenta-se que a estratégia promove a intertextualidade com a Odisseia e contribui para caracterização da personagem como dotada de habilidade retórica e astúcia.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Adriane da Silva Duarte, Universidade de São Paulo

professora Livre-docente da Universidade de São Paulo, onde concluiu o doutorado em Letras Clássicas (1998). Entre seus interesses de pesquisa estão o teatro grego, o romance antigo e a recepção da literatura clássica.  Publicou os livros O dono da voz e a voz do dono. A parábase na comédia de Aristófanes (São Paulo, Humanitas, 2000), Cenas de reconhecimento na poesia grega (Campinas, Editora da Unicamp, 2012), O nascimento de Zeus e outros mitos gregos (São Paulo, Cosac e Naify, 2013), além de traduções, coletâneas e artigos, disponíveis para consulta em https://usp-br.academia.edu/AdrianeDuarte. Coordena o Grupo de Pesquisa “Estudos sobre o Teatro Antigo” (USP/CNPq). É bolsista junto ao CNPq desde 2007.

Citas

Alvares, J. (1995). The drama of Hippothous in Xenophon of Ephesus’ Ephesiaca. CJ. 90: 393-404.

Bowie, E. (2002). The chronology of the earlier Greek novels since B. E. Perry: revisions and precisions. Ancient Narrative 2, 47-63.

Duarte, A, S. (2018). A história de Egialeu (Efesíacas, V.1): tradução e comentário. Rónai. Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios 6: 141-148.

Duarte, A, S. (2017). A história de Hipótoo (Efesíacas, III.2): tradução e comentário. Translatio 14: 218-226.

Gärtner, H. (1983). Xenophon von Ephesus. In A. Pauly, et al. (Eds.), Realencyclopädie der classichen Altertumwissenschaft, IX A 2: 2055-2059.

Hägg, T. (1966). Die Ephesiaka des Xenophon Ephesios - Original oder Epitome? Classica et Mediaevalia 27: 118-161.

Kytzler, B. (2003). Xenophon of Ephesus. In Schmeling, G. (Ed.), The novel in the ancient world (pp. 336-360). Boston: Brill.

Longrigg, J. (2000). Epilepsy in ancient Greek medicine—the vital step. Seizure. European Journal of Epilepsy 9: 12–21.

Morgan, J. R. (2004). Xenophon of Ephesus. En I. De Jong; R. Nunlist; A. Bowie (Eds.), Narrators, narratees, and narratives in ancient Greek literature (pp. 489-492). Leiden: Brill.

O'Sullivan, J. N. (2014). Xenophon, The Ephesian tales. En P. Cueva; S. Byrne (Eds), A Companion to the Ancient Novel (pp. 43-61). Oxford: Wiley Blackwell.

O'Sullivan, J. N. (1995). Xenophon of Ephesus: his compositional technique and the birth of novel. Berlin: Walter de Gruyter.

Ruiz-Montero, C. (2004). Xenophon of Ephesus and Orality in the Roman Empire. Ancient Narrative 3: 43-62.

Tagliabue, A. (2017). Xenophon’s Ephesiaca. A paraliterary love-story from the ancient world. Groningen: Barkhuis & Groningen University Library.
Publicado
2019-12-13
Cómo citar
da Silva Duarte, A. (2019). Os contos de Ântia: narrativas intercaladas em Efesíacas, de Xenofonte de Éfeso. Synthesis, 26(2), e061. https://doi.org/10.24215/1851779Xe061
Sección
Artículos