Anunciando a desgraça: o conceito de ἄτη e o coro na tragédia de Ésquilo

Resumen

O coro na tragédia grega sempre foi considerado um importante elemento da composição dramática. Mais do que isso, principalmente no período esquiliano, era uma das partes essenciais da representação, manifestando-se como a própria voz do povo que se revelava e inqueria as personagens sobre os acontecimentos, as informações e as situações que aconteciam diante dele. Em Ésquilo, particularmente, o coro cumpre um curioso papel, pois é também o responsável por citar, na maior parte das ocorrências de todas as tragédias remanescentes do autor, o conceito de ἄτη, cuja definição compreende desde uma mera turvação das ideias até mesmo a própria desgraça consumada. Assim, o presente artigo, apoiado, sobretudo, pelas ideias propostas por Doyle (1984), analisa algumas passagens em que tal fato ocorre e, para além disso, os possíveis movimentos que fazem uma noção complexa do pensamento grego aparecer com maior frequência justamente nas partes líricas das tragédias.

Palabras clave:

Esquilo, Tragedia, Coro, ἄτη

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Marco Aurélio Rodrigues, Universidade Federal do Amapá

Doutor em Estudos Clássicos (Mundo Antigo) pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal, e Doutor em Estudos Literários (Teorias e Crítica do Drama) pela Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, de Araraquara, São Paulo, Brasil. Sua tese de doutorado, Um conceito plural: a ἄτη na tragédia grega, obteve a aprovação das Universidades com distinção e louvor. Durante o doutorado, foi o único aluno selecionado para representar a Universidade de Coimbra no 2nd Summer School, realizado pelo The European Network of Research and Documentation of Performances of Ancient Greek Drama (Arc-Net). Atualmente, é docente da área de Estudos Clássicos (Linguística, Filologia Românica e Latim) da Universidade Federal do Amapá–UNIFAP (Campus Santana), membro do grupo de Pesquisa NUPEL (Núcleo de Pesquisa em Estudos Literários) e Líder do Grupo de Pesquisas GEDA (Grupo de Estudos Dramáticos na Amazônia). Seu Pós-Doutorado (2017) centrou-se nos estudos de performance do teatro antigo do Grupo de Leituras Dramatizadas Giz-en-Scène. Trabalha com estudos relacionados à performance da antiguidade clássica na modernidade e seu atual projeto de pesquisa analisa, pelo viés pós-colonialista, as representações do teatro clássico nas regiões Norte e Nordeste, do Brasil, além, também, das Guianas e do Suriname.

Citas

Bailly, A. (2000). Le grand Bailly: Dictionnaire grec-français. Paris: Hachette.

Cameron, H. D. (1971). Studies on the “Seven against Thebes” of Aeschylus. Paris: Mouton.

Chantraîne, P. (2009). Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Paris: Klincksieck.

Dale, A. M. (1969). Collected papers. Cambridge: University Press.

Dodds, E. R. (1953). The Greeks and the irrational. California: University Press.

Doyle, R. E. (1984). ATH: its use and meaning. A study in the greek poetic tradition from Homer to Euripides. New York: Fordham University Press.

Ewans, M. (2018). Aeschylus and Opera. En K. N. Demetriou (Ed.), Brill’s companions to classical reception (pp. 205-224). Leiden: Brill.

Goheen, R. F. (1955). Aspects of Dramatic Symbolism: Three Studies in the Oresteia, The American Journal of Philology 76 (2), 113-137.

Grimal, P. (1993). Dicionário da mitologia grega e romana (2 ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Kitto, H. D. F. (2011). Greek tragedy (7 ed.). New York: Routledge.

Ley, G. (2007). The theatricality of Greek tragedy; playing space and chorus. Chicago: University Press.

Liddell, H. G. y Scott, R. (1996). A Greek-English Lexicon. Oxford: Clarendon.

Lloyd-Jones, H. (1983). The justice of Zeus (2 ed.). California: University Press.

Moreau, A. (1986). Eschyle: la violence et le chaos. Paris: Les Belles Lettres.

Roisman, H. (1983). Hesiod’s ῎Ατη. Hermes 111 (4), 491-496. Recuperado de www.jstor.org/stable/4476340

Saïd, S. (1976). La faute tragique. Paris: François Maspero.

Sommerstein, A. H. (2002). Greek drama and dramatists. London: Routledge.

Swift, L. A. (2010). The hidden chorus: echoes of genre in tragic lyric. Oxford: University Press.

Thalmann, W. G. (1978). The dramatic art in Aeschylus’ Seven against Thebes. New Haven and London: Yale University Press.

Vernant, J-P. y Vidal-Naquet, P. (2008). Mito e tragédia na Grécia antiga. São Paulo: Perspectiva.

Vickers, B. (1973). Towards greek tragedy: drama, myth, society. London: Longman.
Publicado
2020-06-12
Cómo citar
Rodrigues, M. A. (2020). Anunciando a desgraça: o conceito de ἄτη e o coro na tragédia de Ésquilo. Synthesis, 27(1), e071. https://doi.org/10.24215/1851779Xe071
Sección
Dossier: Lecturas corales. Esquilo